21-04-2014 às 12:15 | Categorias: Poema

Ah, querida Lua Sangrenta
Cá estou eu, a esta hora da madrugada
Pensando, indagando, prestes a fazer um pedido
Uma prece, uma oração para você, madrinha enluarada.

Desejo que nesta sua transição de dois mundos
Que nesta dança de astros,
Que ao transpor seu lado obscuro para a luz
Você encontre alguém que possa estar ao meu lado.

Alguém dedicado, competente, um pouco bonito…
Um ser abençoado, presente, um amigo.
Que sua tonalidade vermelha transborde aquarelas dentro de mim
Para que eu não me sinta tão só e quem sabe
Minha procura possa chegar ao fim.

Lua Sangrenta, você já está mudando e estou contente
As sombras aos poucos se vão e a cada segundo sua luz se torna onipresente
E para completar o encantamento e adicionar emoção
Acabo de ver uma estrela cadente
Cortando a atmosfera, me deixando perplexa, sem ação.

Talvez seja um sinal divino selando nosso destino
Um laço secreto onde só o cosmos e a eternidade são testemunha
De que eu e você, você e eu compartilhamos um caminho
Onde eu fiz um pedido e você respondeu: – DISPONHA.

Agora já é quase 5:00 da madrugada
Meus olhos pesados, cansados já não aguentam mais
Que tal uma última dança? Você me acompanha nesta loucura inebriada?
Claro que sim! A Lua é o tipo de coisa que não abandona ninguém, jamais.

Adeus Adeus…Mas fique sabendo
Que dia 8 de Outubro estarei aqui
Admirando seu presságio, sua mudança e renascimento
Pois você é o fenômeno natural que tira meu sono, mas que indubitavelmente me faz sorrir.

Texto de um autor desconhecido que eu achei e quis compartilhar aqui com vocês. Queria ter visto o eclipse, ele acontecendo mesmo, mas acabei dormindo e acordei às 04:30 e desci pra ver como tava. Nossa, vi pouco, mas me emocionei com o que eu vi. Foto retirada desse site aqui.




0 comentário aguardando moderação