Tartarugas até lá embaixo

Em 06.11.2017   Arquivado em Resenha 0 comentário aguardando moderação

turtles

A espera finalmente acabou. John Green não nos presenteava com nada novo desde “A culpa é das estrelas”, em 2012. Seu retorno é com o livro “Tartarugas até lá embaixo“, livro que nos traz a vida de Aza Holmes, uma adolescente de 16 anos que sofre de TOC (transtorno obssessivo-compulsivo) e que vai em busca de um bilionário que desapareceu misteriosamente. Juntamente com sua amiga Daisy, uma nerd e escritora de fan-fics de Star Wars, elas tentam achar pistas sobre esse misterioso caso, e acabam se aproximando de Davis, filho do milionário desaparecido, e antigo conhecido de Aza.

O livro traz as aventuras de Aza em primeira pessoa, o que o torna interessante pelo fato de que a todo momento, os pensamentos desconectados e problemáticos da protagonista aparecem em meio aos diálogos e textos. A mente dela é tão complexa que ela pode estar fazendo algo banal, como comer e ao mesmo tempo se preocupando com as milhares de bactérias e microrganismos que vivem dentro de nós. Ela tem um corte no dedo que não cicatriza direito nunca, que a faz “entrar em si” quando ela está em meio às crises, que ela chama de espirais. Aza tem encontros com uma psiquiatra desde a infância, mostrando que ela sempre viveu com esse problema. Por vezes, Aza é negligente com a medicação, o que a faz ser ‘consumida’ mais e mais por seu TOC.

E sabemos que o TOC tratado no livro é algo que o autor, Johh Green, tem que conviver com, já que ele sofre disso. então, quem não melhor que alguém que tem e sabe como é a vida de quem tem esses problemas pra nos dar detalhes do quão complexo é a vida?

Conhecemos Davis Pickett, filho do milionário desaparecido que reconhece Aza logo que a vê. Eles tinham se conhecido num acampamento anos atrás. Ele perdeu a mãe, e ela o pai. As perdas nas vidas deles tem meio que consequências na vida dos dois. E na de Davis, o súbito desaparecimento do pai, que estava sendo investigado, faz com que seu irmão Noah se torne o garoto problema e Davis tem que tentar fazer o papel de irmão mais velho e pai. Noah aparece pouco no livro, mas ele cativa Aza logo que ela o conhece e ela passa a se preocupar com ele.

Daisy, melhor amiga da nossa protagonista, é o ponto de conexão do livro com a cultura pop em geral. Aza escreve fan-fics e tem uma personagem meio que inspirada em Aza, algo que faz com que ela veja como os outros a veem, já que ela não consegue ter essa visão em meio ao turbilhão de pensamentos que é sua cabeça. A amizade das duas é interessante, já que elas são totalmente diferentes, mas elas se completam e uma ajuda a outra (por mais que não pareça).

É um bom livro, cheio de referências à cultura pop, com pitada de humor, romance na medida certa e elementos bem comuns em livros do João Verde. Por vezes eu me senti angustiada com as crises de Holmes, me lembraram por vezes minhas próprias crises de ansiedade. Descrições de quem se sente às vezes em “espirais” vai se identificar. Mas é interessante conhecer esse lado dela, não é um tópico comumente tratado em livro pra jovens.

;*

FUI!!!

Tartarugas até lá embaixo – John Green
ISBN-13: 9788551002001
ISBN-10: 8551002007
Ano: 2017 / Páginas: 256
Idioma: português
Editora: Intrínseca

  • Adriel Christian

    Em 06.11.2017

    oiê!

    confesso que não sabia desse novo trabalho do Green. não sou fã, mas já li muitos livros dele… vou colocar esse na listinha, pois me pareceu super interessante. adoro histórias que envolvem um pouco de drama e situações comum do dia a dia de qualquer pessoa. <3

    bjs!

  • Isabella Proença

    Em 06.11.2017

    Por incrível que pareça eu nunca li um livro do John Green, mas assisti o filme de ‘A culpa é das estrelas’ e achei muito bom, o que significa que o livro é maravilhoso já que os livros são sempre melhores.
    Achei interessante o fato dele expor uma doença que ele possui através de uma personagem, realmente fica fidedigno e quem sofre com o mesmo problema se identificará com facilidade.

    Beijos